Médico otorrino do Cariri alerta cuidado com ‘uso excessivo’ do descongestionante nasal - Cariri Ativo - A Notícia Com Credibilidade e Imparcialidade
Médico otorrino do Cariri alerta cuidado com ‘uso excessivo’ do descongestionante nasal

Médico otorrino do Cariri alerta cuidado com ‘uso excessivo’ do descongestionante nasal

Compartilhar isso

 

Reprodução
Por
 Monike Feitosa

 Caso você não seja um usuário frequente dos remédios que são aplicados no nariz para desentupi-lo, certamente você tem um amigo, conhecido, vizinho ou familiar que não dorme ou sai sem o frasquinho milagroso. Mas será que ele é milagroso mesmo? Vamos conversar um pouco e saber a opinião de um médico especialista no assunto.

Os descongestionantes nasais são vasoconstritores, ou seja, leva os vasos sanguíneos a se contraírem quando aplicado no nariz, levando a uma redução dos cornetos nasais, provocando assim o alívio imediato (porém temporário) da obstrução nasal. Portanto, eles não tratam as doenças que ocasionam o entupimento do nariz, mas apenas o sintoma.

Segundo o Otorrinolaringologista Dr. Emílio Salviano, o uso frequente destas medicações induz uma certa dependência, de modo que sejam necessárias doses cada vez maiores para o efeito desejado. O uso frequente e por períodos prolongados aumentam os riscos cardiovasculares, como o elevação da pressão arterial e arritmia cardíaca, além dos riscos locais no nariz, como sangramentos, perfuração de septo e piora da rinite.

“Destaca-se que a fórmula, da mesma maneira que leva a contração dos vasos do nariz, pode acontecer também a contração dos vasos do coração e da cabeça, então é uma medicação que se usada em dose muito elevada e por períodos prolongados, há riscos de infarto e Acidente Vascular Cerebral (AVC)”, destaca Dr. Emílio.

Então, é importante que as pessoas que tenham sintomas de obstrução nasal procurem um médico especialista para identificar a verdadeira causa da obstrução e tratá-la adequadamente, indo assim á raiz do problema, evitando com isso, medidas paliativas e ineficazes, que podem gerar prejuízos à saúde do paciente.

badalo.com.br

17.01.2022